Fabricante de baterias desenvolve dispositivo 10 vezes mais barato que uma bateria de lítio

Teste os nossos serviços agora

Entre em contato com um de nossos representantes e entenda como iremos potencializar seus negócios.

A Form Energy, fabricante de baterias no EUA, anunciou a criação de uma célula de energia de ferro-ar que tem capacidade para reter eletricidade por cerca de 100 horas. Segundo a empresa, a célula pode ser usada para armazenar energias renováveis, como a energia eólica e solar, e ainda sairá por um preço 10 vezes mais barato que uma bateria de lítio.

Bateria de ferro-ar pode surpreender mercado de carros elétricos

Uma bateria de “ferrugem reversível” que pode transformar o armazenamento de energia
As baterias de ferro-ar aproveitam o oxigênio para converter o ferro existente na célula em ferrugem e depois transformá-lo novamente em ferro, permitindo que as energias renováveis permaneçam armazenadas nas baterias por muito mais tempo e de forma mais eficiente que as de lítio.

De acordo Mateo Jaramillo, CEO e cofundador da Form Energy, a empresa conduziu uma ampla revisão das tecnologias disponíveis e inovaram as baterias de ferro-ar para otimizá-las para o armazenamento de energias renováveis por vários dias na rede elétrica.
Com este tipo de tecnologia, a empresa conseguiu disponibilizar energia limpa quando e onde ela for precisa, mesmo durante vários dias de clima extremo ou interrupções na rede.

Baterias de ferro-ar podem ser repensadas em um futuro próximo para indústria automotiva
A ideia de usar as baterias tão resistentes em carros elétricos ou smartphones é maravilhosa, porém as células ainda são muito grandes. Em média, cada uma das baterias possui o tamanho de uma máquina de lavar roupas. Elas funcionam em conjuntos enormes, e são capazes de armazenar quantidades maiores de energias renováveis por períodos longos.

Como nas baterias AA convencionais, as células de ferro-ar são empilhadas dentro de um eletrólito não inflamável feito à base de água. Quando juntas, em uma área de 4 mil m², essas milhares de baterias, mais baratas que as de lítio, poderiam gerar até 1 MW de eletricidade, o equivalente ao abastecimento de 1.500 residências.

Segundo Greg Ludkovsky, chefe de P&D da ArcelorMittal, a tecnologia de armazenamento de energias renováveis possui um potencial que tem capacidade de superar a questão do fornecimento intermitente e também suavizar os picos na distribuição na energia limpa, já que diferente das de lítio, a bateria de ferro-ar “respira” oxigênio quando é descarregada.

Baterias capazes de armazenar energias renováveis vs custo – beneficio
Baterias com tecnologias atuais, como as de lítio, chegam a um valor médio de US$ 80 (R$ 400) por kWh de armazenamento. De acordo com a empresa, as novas células podem ser comercializadas por menos de US$ 6 (R$ 30).

Além disso, como são produzidas a partir de um material barato, seguro e renovável, elas poderiam se tornar uma fonte viável de eletricidade durante todo o ano. A Form Energy estima que a primeira usina feita com baterias de ferro-ar, nos EUA, esteja operando até o ano de 2025. A ideia da empresa é implantar soluções semelhantes em diversos pontos do país para a redução do custo da eletricidade e garantir o abastecimento contínuo.

Segundo Jaramillo, um ponto que deve ser considerado é o valor da unidade, tendo em vista que precisamos falar de grandes quantidades para fornecer um abastecimento intermitente e de boa qualidade. As baterias com as novas células poderão ser a chave para a substituição gradual de sistemas com base em combustíveis fosseis poluentes.

Fonte: CPG

BÜHLER, Alexandre José. et al. Uma Análise Sobre Efeitos Metaestáveis Em Módulos Fotovoltaicos Ci(G)S Por Exposição À Luz Solar. [s. l.], v. V, n. 1, p. 27–33, 2014.

 

SASALA, R. A.; SITES, J. R. Time dependent voltage in CuInSe2 and CdTe solar cells. Conference Record of the IEEE Photovoltaic Specialists Conference, [s. l.], n. 1, p. 543–568, 1993.

 

TITTON, M. G.; DE BONA, J. C.; BÜHLER, Alexandre José. MÓDULOS FOTOVOLTAICOS CI(G)S: ANÁLISE DA TECNOLOGIA. Asades, [s. l.], v. 3, n. June, p. 04.11-04.20, 2016.

Compartilhe esse artigo em suas redes:

Nos acompanhe nas redes sociais

Parceiros

De: Coletivo Lift Para: Mundo

Copyright © 2021. All rights reserved.