Região japonesa de Fukushima aposta em futuro renovável após desastre nuclear

Teste os nossos serviços agora

Entre em contato com um de nossos representantes e entenda como iremos potencializar seus negócios.

Em 11 de março de 2011, um terremoto desencadeou um tsunami mortal no nordeste do Japão, causando um vazamento na usina nuclear de Fukushima e forçando evacuações por temores de radiação.

As energias renováveis produziram 43% da energia consumida em Fukushima no ano fiscal de 2020, contra 24% em 2011.

Mas os obstáculos permanecem, desde custos mais altos para os consumidores até preocupações persistentes com a contaminação.

“A vontade de evitar a repetição daquele acidente foi o ponto de partida mais importante” deste projeto, disse à AFP Noriaki Saito, diretor de energia do departamento de planejamento da prefeitura.

Um campo brilhante de painéis solares se estende ao longo de uma faixa costeira ao norte da usina danificada, em um local anteriormente reservado para a terceira usina nuclear da região, um projeto abandonado após o tsunami.

A energia gerada no local, concluído em 2020 e do tamanho de 25 campos de futebol, é usada para gerar hidrogênio, um combustível limpo quando gerado com eletricidade renovável e uma das esperanças do Japão para alcançar a neutralidade de carbono até 2050.

O combustível produzido graças ao Campo de Pesquisa de Energia de Hidrogênio de Fukushima, na cidade de Namie, tem sido usado até agora para pequenos projetos, alguns ligados aos Jogos de Tóquio, e para abastecer veículos de células de combustível na área.

A região de Fukushima já tinha barragens hidrelétricas, mas agora parques eólicos, usinas de biomassa e campos de painéis solares estão surgindo em terras abandonadas após o tsunami.

No entanto, nem toda sua população está convencida.

O preço ainda é um problema, de acordo com o Apollo Group, um pequeno fornecedor de energia em Fukushima que aumentou suas ofertas de energias renováveis nos últimos anos.

O preço da eletricidade produzida por energia solar é “um pouco mais alto” que o da energia convencional, disse seu CEO Motoaki Sagara.

 Microrredes 

Outro projeto de energia renovável que tenta conquistar os moradores são as “microrredes”, nas quais a eletricidade é produzida e consumida no mesmo local.

Katsurao, uma pequena cidade perto da usina de Fukushima, foi evacuada devido à contaminação radioativa entre 2011 e 2016 e agora tem apenas 450 moradores, menos de um terço de sua antiga população.

Um antigo campo de arroz, usado para armazenar materiais radioativos quando os trabalhadores realizavam as primeiras tarefas de desmantelamento, agora abriga uma fazenda solar cuja eletricidade é direcionada diretamente para a cidade.

O projeto está em operação desde 2020 e por enquanto a instalação cobre em média 40% das necessidades anuais da cidade, onde o espectro de um desastre nuclear paira sobre outros projetos.

Os moradores foram contrários a uma estação de biomassa planejada porque temiam que ela pudesse produzir emissões radioativas se fosse usado material de áreas ainda contaminadas da região.

Mas a estação solar ajudou Hideaki Ishii, trabalhador de um restaurante e mercearia familiar em Katsurao, a se sentir mais seguro em casa.

“Quando você usa a eletricidade criada na comunidade, é mais fácil ver como ela foi gerada.” “Eu me sinto mais seguro assim” e “é bom para o meio ambiente”, disse ele.

Fonte: Istoé Dinheiro

Compartilhe esse artigo em suas redes:

Nos acompanhe nas redes sociais

Parceiros

De: Coletivo Lift Para: Mundo

Copyright © 2021. All rights reserved.