Itália aposta no primeiro parque eólico offshore do Mediterrâneo

Teste os nossos serviços agora

Entre em contato com um de nossos representantes e entenda como iremos potencializar seus negócios.

O primeiro parque eólico do Mediterrâneo está localizado na região sul da Puglia, em frente ao porto de Taranto, uma cidade tristemente conhecida por suas gigantescas e poluentes siderúrgicas.

“Esta é uma grande oportunidade para mudarmos de opinião sobre as energias renováveis”, diz Fabio Matacchiera, defensor do meio ambiente em uma cidade que registrou um número elevado de câncer em crianças, acima da média nacional, enquanto a população se apega ao seu trabalho na uma indústria em declínio devido à falta de alternativas.

A invasão russa da Ucrânia no final de fevereiro forçou a União Europeia a reduzir sua dependência do gás russo e acelerar a produção de energia renovável.

A Itália é um dos maiores consumidores de gás da Europa, sendo responsável por cerca de 42% do seu consumo de energia. Importa 95% do gás, dos quais 45% vêm da Rússia.

“O investimento acelerado em energias renováveis (…) é a única estratégia a longo prazo”, enfatizou o primeiro-ministro Mario Draghi na semana passada.

A meta do país é parar de receber gás russo até 2025. Enquanto a guerra continua na Ucrânia, o governo italiano aprovou seis novos parques eólicos terrestres espalhados pelo país, da ilha da Sardenha à Basilicata, no sul.

Ele também prometeu desbloquear “várias dezenas de gigawatts de energia eólica offshore”.

Uma vez concluído, o parque eólico de Taranto terá dez turbinas capazes de abastecer 21.000 residências.

Renexia, a empresa que administra o parque, tem entre seus projetos um parque flutuante de 190 aerogeradores ao largo da Sicília, que poderá fornecer energia a 3,4 milhões de famílias e gerar centenas de empregos.

Alguns temem que o projeto prejudique a paisagem, mas o CEO da Renexia, Riccardo Toto, disse à AFP que as turbinas serão “praticamente invisíveis” na costa.

O Ministério da Transição Ecológica da Itália recebeu 64 propostas para parques eólicos offshore, mas a maioria continua em andamento porque a burocracia é muito “incômoda”, de acordo com a WindEurope.

Mario Draghi assegurou que o seu governo “está trabalhando para agilizar os procedimentos, reduzir a burocracia e acelerar os investimentos”, depois de ter prometido fechar a torneira de gás russa.

Fonte: Istoé Dinheiro

Compartilhe esse artigo em suas redes:

Nos acompanhe nas redes sociais

Parceiros

De: Coletivo Lift Para: Mundo

Copyright © 2021. All rights reserved.