Empresa revela planos para o maior arranha-céu de ‘energia renovável’ de Nova York

O gigante bancário americano JPMorgan Chase revelou planos para sua nova sede global: um arranha-céu de 60 andares alimentado inteiramente por energia renovável.

Com conclusão prevista para 2025, a torre de 423 metros de altura se tornará o maior edifício “totalmente elétrico” de Nova York, de acordo com Foster + Partners, os arquitetos por trás do projeto.

Uma série de renderizações digitais, lançadas na semana passada, mostram a forma escalonada da torre sobrevoando Midtown Manhattan.

Em um comunicado de imprensa conjunto, o JPMorgan Chase e a Foster + Partners disseram que o arranha-céu atingirá “emissões operacionais líquidas zero” — em parte, usando energia de uma usina hidrelétrica estadual.

Outros recursos de design com eficiência energética incluem janelas com vidros triplos e sistemas para armazenamento e reutilização de água que podem reduzir o uso em 40%.

A torre também fará uso de “tecnologia de construção inteligente”, empregando sensores para monitorar e reduzir o consumo de energia.

O trabalho de construção já começou no local, que já abrigou o Union Carbide Building, de 215 metros. Os arquitetos dizem que 97% dos materiais de construção do antecessor da torre serão “reciclados, reutilizados ou reciclados”.

O novo design também promete mais que o dobro da quantidade de espaço ao ar livre no nível do solo, completo com uma praça pública e calçadas alargadas.

O fundador da Foster + Partners, o célebre arquiteto britânico Norman Foster, disse em comunicado que a torre era um “novo marco que responde à sua localização histórica”.

“O design único responde ao desafio de respeitar o ritmo e a paisagem urbana distinta da Park Avenue, enquanto acomoda a infraestrutura vital de transporte da cidade abaixo”, disse ele.

“O resultado é uma solução elegante onde a arquitetura é a estrutura e a estrutura é a arquitetura, abraçando uma nova visão que servirá ao JPMorgan Chase agora e no futuro.”

A inauguração ocorre apenas alguns meses depois que o ex-prefeito de Nova York Bill de Blasio aprovou uma lei restringindo o uso de combustíveis fósseis em todos os novos edifícios residenciais e comerciais a partir do próximo ano.

A legislação exige que todos os novos edifícios da cidade sejam construídos para serem totalmente elétricos até 2027.

Enquanto isso, os legisladores de Nova York estão considerando novas regras estaduais por meio da proposta All-Electric Buildings Act.

O projeto de lei foi apresentado em 2021 pelo senador do estado de Nova York Brian Kavanagh e pela deputada Emily Gallagher, que dizem que reduzirá as emissões de carbono do estado em milhões de toneladas, garantindo que os moradores de baixa renda possam acessar energia acessível.

De acordo com autoridades da cidade, estima-se que 70% das emissões de gases de efeito estufa de Nova York vêm de edifícios.

Em meio a relatos de um êxodo da cidade de Nova York durante a pandemia, o JPMorgan Chase também parece estar colocando seu peso no trabalho presencial: a nova torre pode abrigar até 14 mil funcionários em mais de 700 milhões de metros quadrados de espaço — quatro vezes o capacidade do antigo edifício Union Carbide.

O projeto oferece aos ocupantes várias instalações de “bem-estar”, incluindo sistemas de filtragem de ar, um centro de saúde e fitness, vegetação interna e tecnologia “sem toque”.

Localizado na 270 Park Avenue, o projeto faz parte de planos mais amplos para transformar um trecho de 78 quarteirões do Midtown East de Nova York. Em 2017, as autoridades da cidade votaram pelo rezoneamento do bairro, com De Blasio na época prometendo “grandes atualizações nas estações de metrô, mais espaço para pedestres, investimentos em seus marcos icônicos e uma nova geração de edifícios de escritórios”.

Fonte: CNN Brasil

Compartilhe esse artigo em suas redes:

Nos acompanhe nas redes sociais

Parceiros

De: Coletivo Lift Para: Mundo

Copyright © 2021. All rights reserved.