Uso do hidrogênio verde para produção de energia renovável pode levar o Brasil a se destacar mundialmente no setor de energia

Teste os nossos serviços agora

Entre em contato com um de nossos representantes e entenda como iremos potencializar seus negócios.

Em nível global, o setor de energia é o causador da maior parte de emissões de gases de efeito estufa: cerca de 73,2% das emissões no mundo estão relacionadas a energia elétrica, geração de calor e transporte. No Brasil, pela matriz energética sendo sua grande maioria renovável por conta das usinas hidrelétricas, o setor representa 18,2% das emissões brutas.

Uma das jogadas feitas pelo setor de energia internacional, com o objetivo de reduzir as emissões de gases, é a utilização do hidrogênio verde. Na Europa por exemplo, o combustível feito de forma sustentável é tido como um fragmento capaz de garantir uma maior segurança em energia para os países do bloco europeu.

Segundo informa a consultoria McKinsey, o Brasil pode se transformar em um dos líderes globais no desenvolvimento de hidrogênio verde. Essa expectativa de vantagem sobre o Brasil no setor de energia se dá pelo fato de que o país possui um potencial de energia eólica e solar abundante, bem como um sistema elétrico integrado e de baixo carbono. Também, o Brasil é privilegiado com uma posição geográfica onde se é possível alcançar a Europa e a costa leste norte-americana, além de possuir uma relevante indústria doméstica.

De acordo com dados expostos pela McKinsey, o potencial a ser gerado pela indústria de energia utilizando o hidrogênio verde pode alcançar de 15 bilhões a 20 bilhões de dólares no ano de 2040, com grande parte desse potencial, entre 10 bilhões e 12 bilhões de dólares, para o mercado doméstico, sobretudo no transporte de carga por caminhões, a siderurgia e outras utilizações energéticas industriais.

Aproximadamente 6 bilhões de dólares podem vir das exportações de derivados de hidrogênio verde para a Europa e Estados Unidos, uma vez que o custo do Brasil nessas regiões será competitivo diante ao produto de outros países.

Setor de energia precisará investir cerca de R$ 200 bilhões em hidrogênio verde para produzir energia

Com a utilização do hidrogênio verde para viabilizar o cenário de produção de energia limpa, a consultoria destaca que para se utilizar o hidrogênio verde, o setor precisará investir cerca de 200 bilhões de dólares, incluindo 180 GW de capacidade de geração de eletricidade renovável adicional.

No princípio do atual mês de julho, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) comunicou um programa de financiamento para a produção de hidrogênio verde no Brasil. O banco vai utilizar recursos do Fundo Clima e investirá cerca de R$300 milhões em créditos para o desenvolvimento de projetos que estimulem o desenvolvimento de hidrogênio verde no país.

Hidrogênio passa por tratamento antes de ser utilizado para obtenção de energia

O hidrogênio é um dos elementos químicos que possui maior abundância na natureza. Porém, o elemento não é achado de forma natural e à disposição para ser utilizado como combustível, assim, o hidrogênio possui a necessidade de ser produzido a partir de processos que quebrem as moléculas que contêm hidrogênio, como a da água.

Esse processo de quebra de moléculas é o que vai determinar se o hidrogênio será, de fato, sustentável ou não. No caso do hidrogênio verde, ele é produzido a partir da energia eólica, solar e água a partir da eletrólise. Enquanto as matrizes forem renováveis, o hidrogênio será uma fonte de energia limpa.

No mês de junho, no decorrer do Simpósio Global sobre Soluções Sustentáveis em Água e Energia realizado em Foz do Iguaçu, o presidente da ABH2 (Associação Brasileira de Hidrogênio), Paulo Emílio Valadão, afirmou que o setor de energia a partir do hidrogênio verde possui uma grande possibilidade de crescimento no Brasil, dado as fontes energéticas limpas em abundância.

Fonte: CPG

Compartilhe esse artigo em suas redes:

Nos acompanhe nas redes sociais

Parceiros

De: Coletivo Lift Para: Mundo

Copyright © 2021. All rights reserved.